Rss Feed
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  1. Os trilhos que levam ao samba*

    16 de dezembro de 2013

    ENCONTRO Proposta do Trem do Samba foi recriar memória de resistência da música brasileira

    Velha Guarda da Império Serrano em um dos vagões do Trem do Samba

    O subúrbio acolheu de braços abertos aqueles que trilharam, no último sábado, vindos de todas as partes da cidade e até de outras cidades do Brasil e do mundo, o trajeto do Trem do Samba.

    O festival de grandes proporções, em que se transformou a festa do Dia Nacional do Samba (2 de dezembro), parecia promover uma espécie de reconciliação entre os bairros do Rio.

    Cinco trens lotados saíram da Central do Brasil com destino a Oswaldo Cruz, com rodas de samba em cada vagão. O bairro, povoado em grande parte, no início do século passado, por aqueles que foram removidos à força pelas reformas sanitaristas, foi o palco para esse encontro que o samba mais uma vez foi capaz de promover.

    "O Trem do Samba representa o recriar de uma celebração, de uma memória de resistência da música brasileira", afirma Marquinhos Oswaldo Cruz, o sambista que, em 1991, refez a viagem de trem que deu origem ao festival.

    A releitura da viagem que Paulo da Portela fazia, no início do século passado, para fugir da repressão ao samba, ganhou contornos de festa popular.

    "A mesma polícia que antes perseguia o samba, hoje abre alas pra ele passar. O samba nunca foi de arruaça, como dizia Carlos Cachaça. Era a alegria do povo na praça Onze, uma manifestação da cultura popular, sincera, honesta", ressalta Monarco, da Velha Guarda da Portela, escola de samba que surgiu entre Oswaldo Cruz e Madureira.

    Sambista representante de outra escola de samba da região - a Império Serrano -, Aluízio Machado também destacou o caráter democrático do evento. "Hoje o samba pode dizer que tem uma festa democrática, que todo mundo acompanha junto, sem distinção", pontua.

    No evento, shows simultâneos faziam com que o público estimado em mais de 60 mil pessoas, somente naquele dia, pudesse aproveitar as mais de 50 atrações musicais. Na comparação bem humorada com outros festivais de música que acontecem na cidade, o 'Rock in Rio do samba' não deixou a desejar nos quesitos evolução e harmonia, e mostrou, com desenvoltura, o jeito brasileiro de festejar.


    Paulinho da Viola: 'Ninguém controla a força que o samba tem'

    Músico que tem sua trajetória relacionada à das escolas de samba de Oswaldo Cruz e Madureira, Paulinho da Viola foi uma das atrações do Trem do Samba. Seu show, no palco João da Gente, um dos sete montados, encerrou o festival que já acontecia desde a segunda-feira.

    Paulinho da Viola destacou a iniciativa de comemorar o Dia do Samba com uma grande festa. "Durante muito tempo era uma data conhecida. Algumas pessoas se reuniam em suas escolas, mas não havia um evento aberto, maior, que levasse a data para um número maior de pessoas", afirmou, celebrando o que chamou de a grande estrela do evento: o samba.


    Para o cantor e compositor, a manifestação cultural tem força própria e consegue levar o nome do Brasil para o mundo. "Ao longo do tempo, muitos já disseram que acabaria, que não fazia sentido. Mas o samba já foi para o mundo. Visitar, por exemplo, o Japão e ver que há escolas de samba com pessoas de lá tocando, mostra que essa coisa do povo da gente tem uma força que ninguém controla", enaltece.


    *Publicado no jornal Brasil de Fato
    | |


  2. 0 comentários: