Rss Feed
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  1. Os direitos HUMANOS são os nossos

    30 de novembro de 2010

    Não falar porque todo mundo tá falando não é do meu feitio. Não sou do contra. Aliás sou a favor. Morador do Rio cinco dias da semana, mais atualmente na Cidade Maravilhosa do que na do Aço (meu endereço de correspondência), aqui onde os acontecimentos viraram o centro das atençõe na semana que passou.

    Não dá pra não dizer que é bom andar na cidade com a sensação de que está melhorando. Eu que passei por uma van e um ônibus carbonizados nas minhas andanças vi de perto do que o crime (des)organizado é capaz. Encurralados eles tentaram, mas a resposta das autoridades, polícia, COMUNIDADE, imprensa foi, pela primeira vez, unísona. Todos tinham o mesmo objetivo que, por isso mesmo, foi alcançado.


    "Eu vou à cidade hoje à tarde
    Tomar um chá de realidade e aventura
    Porque eu quero ir pra rua
    Eu quero ir pra rua
    Tomar a rua"

    Dura a realidade de quem não tinha o direito básico de ir e vir nessa aventura que é morar por aqui. Tomou a rua a unanimidade de que não queríamos mais ficar trancados dentro de nossas próprias casas, vendo a vida passar pelo noticiário.

    Passaram pela minha cabeça os mais diversos sentimentos e pensamentos. Dos mais radicais - a revolta que me fazia dizer: "tem que matar todo mundo". Aos mais politicamente corretos sobre a degradação social e blá,blá,blá.

    "Não mais
    Não mais aquela paúra
    De ser encarcerado pra ficar seguro

    Já cansei de me trancar
    Vou me atirar
    Já cansei de me prender
    Quero aparecer
    Aparecer, aparecer
    Aparecer"

    Precisava sair de casa na quinta feira, dia do início do cerco ao Alemão, para fazer uma compra indispensável para sexta-feira. Fui recomendado por todos - amigos, televisão, namorada, anjinho na orelha direita e diabinho na esquerda. Mas contrariei todo mundo e fui pra rua, tomar a rua. Voltei são, afinal não era como eles dizem na TV - não era violência generalizada.

    "Eu sou da cidade, e a cidade é minha
    Na contramão do surto de agorafobia
    Agora eu quero ir pra rua
    Porque eu quero, quero ir pra rua

    Levar
    A dura de cada dia
    Sair da minha laia, chegar na sua"

    Levamos a nossa dura de uma semana, mas no final tudo acabou relativamente bem. Ainda há muito pra fazer. Mas os acontecimentos finalmente mostraram que a sociedade tem que estar do lado certo. Nesse caso existe sim um lado certo. Afinal os direitos humanos são (primeiramente) os nossos, nós trabalhadores, pais e mães de família, estudantes, enfim todos que levamos a vida dignamente, dentro da legalidade e com o mínimo de respeito ao espaço do outro.

    "Eu vou à cidade sem compromisso
    Tomar um chá, um chá de sumiço no olho da rua
    Porque eu quero ir pra rua
    Eu só quero ir pra rua
    Olhar a rua

    Tomar, bem que se podia ar fresco
    Topar Banksy a pintar afrescos"

    * Com letra de Eu quero ir pra rua (Paula Toller/Coringa)
    | |


  2. 3 comentários:

    1. Eu já tava querendo escrever sobre isso, vc me instigou...

      Vou roubar a frase do teu título! Adorei.

      bjs meus

    2. Anônimo disse...

      Foi muito interessante de ler. Eu quero citar seu post no meu blog. Pode? E você et uma conta no Twitter?

    3. Gabriel Araujo disse...

      Caro "Anônimo"
      Pode citar sim, mas depois deixa o endereço do blog pra gente poder dar uma olhada!

      Ps.: Não tenho Twiter não...