Rss Feed
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  1. Aquele dia

    3 de agosto de 2007

    Não caiu a lágrima. Aquela que estava sufocada desde aquele dia. Aquele em que você me deixou com algumas coisas pra dizer. Aquelas palavras que só podem ser ditas cara a cara, e não por telefone. Aquele telefonema que me fez, cobrando por tudo o que eu não fiz e fiz. Aqueles erros que não queria ter cometido, mas aconteceu, porque “é humano”. Não vieram aquelas desculpas. As que você me devia e eu também, mas, por orgulho, medo ou coisa assim, não rolaram.

    E fiquei com aquela lágrima presa. Aquele seco que tive que engolir, de não poder, nunca mais. Porque aquele espaço que ficou parece que não se preenche, não mais. Mesmo com aquela vontade. Aquela conversa boa que tivemos outro dia. Aquele dia que te encontrei sem querer e não consegui te encarar. Por causa d’aquele sentimento de ter tão perto, mas estar tão longe ao mesmo tempo, e não poder fazer nada pra mudar. Aquela mudança que me faria sorrir completo.
    | |


  2. 5 comentários:

    1. Lígia disse...

      vc escreve tão bem... =)

      mas chorar faz bem, baby :D
      alivia =D

    2. Edson Marques disse...

      Gabriel,

      belos textos no teu blog!



      Agradeço por você ter publicado meu poema MUDE.

      Pena que você não citou o autor, que sou eu.

      O livro "Mude" (contendo o poema) já foi editado pela Pandabooks, com prefácio de Antonio Abujamra.

      Também publicado no CD Filtro Solar, do Pedro Bial (faixa 4).


      E os originais podem ser lidos em http://mude.weblogger.com.br


      Abraços, flores, estrelas.


      Veja também o vídeo MUDE.

      .

    3. texto lindo biel..
      Amo vir aqui e ver vc expondo seus sentimentos assim.. já que pessoalmente isso é coisa rara..
      acho q nossos momentos de "par" estão se acabando =(
      bjuss

    4. Dreza disse...

      Situações como esta acontece pelo menos um vez como todo mundo. Erros que não gostariamos de cometer e cometemos. Desculpas que não vem, lágrimas que não caem, conversas boas, mas que só ficam na conversa..Não tem muito o que comentar deste texto, mais uma vez, vc conseguiu, chamar minha atenção, pra uma situação que vc viveu e se parece muito com a que estou vivendo...vou ficando por aqui...
      Tenha uma boa semana.
      Bjs, Dreza.

    5. Gabriel Araujo disse...
      Este comentário foi removido pelo autor.